Livros

Educação e modernidade. Nobel, São Paulo, 1993 [V Fórum Nacional- 1993].

A construção no Brasil do desenvolvimento moderno (nas suas dimensões econômica, social e política, intimamente inter-relacionadas) não pode prescindir de uma nova proposta pedagógica, que enfatize a educação básica.

O objetivo deste volume é apresentar e discutir as bases dessa proposta, inserida no contexto mais amplo de novo modelo de desenvolvimento.

Na introdução, Roberto Cavalcanti de Albuquerque examina a revolução na educação como um dos processos de transformação estrutural da modernidade, empreende síntese de sua evolução histórica no Brasil, desde a Colônia, e situa a educação como um dos eixos do modelo de desenvolvimento discutido no V Fórum Nacional (1993).

Na primeira parte, Alexandre S. da Rocha observa que, embora a importância da educação seja afirmada ao nível das manifestações retóricas de modo unânime, esse reconhecimento não se verifica hoje pragmaticamente, o que é, em parte resultante da inadequação entre as expectativas sociais com relação à escola e o seu desempenho efetivo.

Sérgio Costa Ribeiro constata que a ineficiência da escola evidencia-se nas altíssimas taxas de repetência e nos baixos níveis de qualidade do produto educacional. Considera, ademais, que a educação básica deve ser o cimento social da consolidação do Estado nacional e condição para a cidadania democrática. Azuete Fogaça e Luiz Carlos Eichenberg vêem o ensino fundamental como essencial à competitividade e ao êxito de reetruturação produtiva que incorpore novas tecnologias de produção e gestão de negócios.

Na segunda parte, Divonzir A. Gusso e Cláudio Salm dedicam-se a formular propostas concretas de estratégia para a educação básica e o treinamento de mão-de obra, com vistas principalmente ao novo paradigma de desenvolvimento característico da Terceira Revolução Industrial. No caso da educação básica, trata-se de assegurar as competências mínimas a partir das quais as habilidades exigidas pelo novo padrão tecnológico possam ser assimiladas, o que envolve processo de aprendizado com adequado desenvolvimento cognitivo, garantia universalizada de oferta escolar e eficiente gestão dos sistemas de ensino e das unidades escolares. No caso da formação profissional, instituições como o Senai devem prover, complementarmente, as competências básicas não adquiridas na escola, na medida em que as novas formas de qualificação para o trabalho passam, mais a mais, a exigí-las, pois são elas hoje processos continuados resultantes de interação humana nos ambientes de trabalho.

A terceira parte do livro contém dois depoimentos: Márcio Fortes considera o tema “educação e marginalidade social urbana”; e Simon Schwartzman explora caminhos para mais qualidade na educação brasileira.

Sumário

Apresentação

A transição para a modernidade no Brasil
João Paulo dos Reis Velloso

Introdução

Educação e modernidade no Brasil
Roberto Cavalcanti de Albuquerque

Parte I – Educação e desenvolvimento

A educação no Brasil: um exercício de análise pragmática
Alexandre S. da Rocha

Educação básica e competitividade
Azuete Fogaça e Luiz Carlos Eichenberg

Educação e cidadania
Sérgio Costa Ribeiro

Parte II – Educação básica e formação profissional

Estratégia para o desenvolvimento da educação básica
Divonzir A. Gusso

Educação e treinamento de mão-de-obra: o papel do Senai na reestruturação industrial
Cláudio Salm

Parte III – Educação básica: dois depoimentos

Educação e marginalidade social
Márcio Fortes

A busca da qualidade na educação
Simon Schwartzman