Sala de Imprensa

Carlos Thadeu de FreitasOs economistas da Fecomércio Carlos Thadeu de Freitas e Rubens Penha Cysne apresentaram um cenário extremamente negativo para a economia brasileira, caso não se acelere a discussão e a aprovação do ajuste fiscal. De acordo com Carlos Thadeu de Freitas, o Brasil sempre viveu o dilema de qualquer ajuste ser baseado em elevação da carga tributária e corte nos gastos.

Em sua opinião, no entanto, a situação de agora é muito pior. ” Nós saltamos o peso dos gastos públicos de 10% do PIB para 20% do PIB e isso não é sustentável”, lamentou Carlos Thadeu de Freitas, para quem os números apenas estão comprovando, sem paixão ou visão ideológica, a consequência dos erros sucessivos da concessão de incentivos e renúncias fiscais, derrubando drasticamente a arrecadação do governo.

Rubens Penha CysneRubens Penha Cysne foi além, e analisando os dados do estudo realizado a quatro mãos com o colega Carlos Thadeu de Freitas, comparou a atual situação da economia brasileira com a de dois carros (gastos e arrecadação) disparando de encontro ao abismo. “Como no cinema, neste caso, sobrevive quem salta primeiro, antes de o carro cair no abismo. É esse o nosso dilema”, alertou Penha Cysne, em defesa de uma reforma fiscal urgente.

“Nós estamos pagando o preço de uma Constituição que permitiu saltar o gasto com despesas sociais de 10% para 20% do PIB. Hoje, o déficit primário de 2,5% em 12 meses não permite pagar nem o juro da dívida pública. Nosso cenário hoje é muito pior do que o dos anos 80 e 90. Temos um táxi com o taxímetro correndo e parado, mas os passageiros não embarcam”, comparou Penha Cysne.