Cadernos do Forum Nacional

Estratégia de Implantação do Carro Elétrico no Brasil. , Rio de Janeiro, 2010 [XXII Fórum Nacinal- 2010].

É chegado o momento de o Brasil acordar para o fato de que está atrasado na corrida para o Carro Elétrico, quando deveria estar na vanguarda – como fez em relação ao Carro a Etanol.

Em primeiro lugar, consideremos o que mostra estudo recente do Ministério do Meio Ambiente: o carro e a motocicleta são os grandes responsáveis pela poluição nas cidades brasileiras. “A frota de carros e motocicletas emite 40 vezes mais CO (Monóxido de Carbono) do que a frota de ônibus urbano”.

Tomando os números: “Em 2009, as emissões de CO por parte de carros e motos corresponderam a 83% do total desse gás… Os ônibus responderam por 2%”. “E o número de usuários foi equivalente.”

Segundo, em termos de eficiência energética, o Carro Elétrico está à frente, “no tráfego urbano, em especial quando em baixas velocidades e constantes acelerações e frenagens”.

Ao lado disso, os Carros Elétricos são também vantajosos em termos de poluição sonora, pois os motores elétricos são silenciosos, diferentemente dos motores a combustão.

Vantagem financeira: “O custo do quilômetro rodado é mais baixo e o custo de manutenção igualmente”.

Em terceiro lugar, devido a esse conjunto de razões, existe um Ciclo de Transformação na Indústria Automobilística Mundial, impulsionado pelo Carro Elétrico. Se, nesse cenário de “Inovação Radical”, o Brasil ficar de fora, poderá ter grandes perdas, em termos de produção e exportações de carros, assim como de autopeças (setor importante para o País).

Note-se que o mercado mundial se volta para o Carro Elétrico tendo uma Matriz de Energia desfavorável. Já a Matriz do Brasil é favorável, principalmente considerando o nosso enorme potencial hidroelétrico.

Importante assinalar: o que se visualiza é um cenário em que, num certo período, as três Tecnologias coexistam. Mas há uma tendência a um grande impulso na área do Carro Elétrico.

Que se estabeleça, digamos, a meta de ter algo como 10% de produção (não de estoque) de Carro Elétrico em cerca de cinco anos. É como se a montadora passasse a ter mais um modelo de automóvel.

Para isso, necessidade de uma “ESTRATÉGIA DE IMPLANTAÇÃO DE CARRO ELÉTRICO NO BRASIL”, fazendo o sistema de incentivos convergir para o engajamento das montadoras e o interesse de compradores.