Renato Villela

A questão social no Brasil

O presente volume não é apenas um novo estudo sobre o problema social brasileiro. A idéia do Fórum Nacional foi, através de uma equipe de especialistas do IPEA, coordenada por Roberto Cavalcanti de Albuquerque, fazer um completo balanço e revisão da questão social no Brasil, tal como ela se configurou nas últimas duas décadas, não de forma isolada, mas articulada com o próprio processo de desenvolvimento. Para isso, levaram-se em conta, inclusive, os mais recentes relatórios de organismos internacionais sobre o problema, com o objetivo de verificar se o Brasil é realmente uma anomalia, no mundo, com uma situação social muito… ... continue lendo →

Estratégia social e desenvolvimento

Com este volume, o Fórum Nacional dá seqüência ao debate sobre a questão social brasileira, desta vez com o propósito de contribuir para a formulação de estratégia social que, vencendo a pobreza e reduzindo as desigualdades de renda, atenda aos objetivos nacionais de eqüidade. A sociedade moderna que se pretende construir no Brasil, com efeito, é incompatível com a dimensão atual da pobreza absoluta, que corresponde a cerca de um terço da população. A persistência de níveis tão elevados de pobreza, além de socialmente inaceitável, gera desarmonias e desequilíbrios capazes de atuar como… ... continue lendo →

Estabilidade e crescimento: os desafios do Real

Este livro empreende ampla avaliação das perspectivas de êxito do Plano Real e desenha os cenários político-sociais e econômicos que, concretizados, criarão as condições para o crescimento sustentado, com transformação produtiva, e favorecerão novas oportunidades de desenvolvimento. Na introdução, Rubens Ricupero situa o Plano Real no contexto da crise brasileira. Para ele não há salvação sem estabilidade, a qual não é um objetivo em si mesmo, sendo, ao contrario, o instrumento para viabilizar o projeto de modernização nacional. A primeira parte do volume, a cargo de Mario Henrique Simonsen, Affonso Celso Pastore, Rubens… ... continue lendo →